A Viúva do Capitão do Titanic

Diversos

O naufrágio do Titanic não foi o pior acidente naval da história, mas é, sem dúvida, o mais famoso.  Apesar disso, pouco se sabe dos personagens envolvidos direta ou indiretamente na tragédia.

Sarah Eleanor Pennington, nascida em 1861, se casou com Edward Smith em 1887, que era o capitão do Titanic e que morreu no naufrágio. Juntos, eles tiveram uma filha, Helen Melville Smith, ou apenas Mel.  A Sra. Smith, de acordo com um relatório, recebeu £ 1.168 — uma soma considerável em 1912 — da White Star Line. Isso era quase igual ao salário anual do capitão. Além disso, ela foi a única beneficiária do testamento do capitão Smith, no valor de £ 3.186 — cerca de £ 250.000 no valor de hoje – e a casa do casal. Segundo todos os relatos, ela foi capaz de viver com bastante conforto. Ela nunca se casou novamente e morreu em 1931 após ser atropelada por um táxi em Londres.

Sarah e sua filha, Mel

Mel, se casou com um corretor da bolsa, Sidney Russell-Cooke, em 1922, mas ele morreu em 1930 como resultado de um acidente enquanto limpava uma espingarda.   Ela parece ter tido uma vida bastante próspera, com uma tendência para carros esportivos velozes.   Ela também conseguiu tirar uma licença de piloto na década de 1930. Quando ela morreu em 1973, a linha hereditária do Capitão Smith chegou ao fim.

Abaixo está uma foto de Mel, possivelmente na década de 1920.  Muitas vezes essa foto é confundida como sendo de Sarah.   O estilo do cabelo e as roupas são indicativos das décadas de 1920-1930, época em que sua mãe teria quase 50 ou 60 anos.

Ela teve dois filhos, gêmeos, chamados Simon e Priscilla. Simon nunca se casou e foi morto em ação na 2ª Guerra Mundial como piloto da Força Aérea Real. Priscilla se casou com o advogado John Phipps em 1946, mas morreu de poliomielite no ano seguinte sem ter filhos.

Helen Melville Smith, filha do capitão do  Titanic, com o ator Laurence Naismith que faria o papel de seu pai no filme
“A Night To Remember” (1958)

Smith morreu no naufrágio, porém não se sabe até hoje as exatas circunstâncias. O escultor e sobrevivente Paul Chevré foi citado pela imprensa como tendo visto o capitão exclamar “A minha sorte me abandonou” antes de se matar com um revólver, uma afirmação repetida por vários outros sobreviventes, porém posteriormente ela foi desmentida pelo próprio Chevré.  Outras evidências indicam o contrário, além de nenhuma prova física ter sido encontrada, com essa hipótese atualmente sendo pouco aceitas dentre os historiadores.   Por fim, alguns sobreviventes afirmam que deu ordem para abandonar o navio gritando “Sejam britânicos”, uma citação que é encontrada em muitas placas comemorativas de Smith.

Uma família que viveu desgostos e grandes perdas.

 

Anúncios

Deixe uma resposta