Um Dos Homens Mais Cruéis Da História

Diversos

“Corte as cabeças dos homens e pendure-as nas aldeias, tenha relações sexuais com as mulheres nativas e pendure crianças e mulheres em cruzes.” Disse o Rei Leopoldo II da Bélgica para seus generais, referindo-se a pessoas de sua colônia pessoal no Congo.

O Estado Livre do Congo era um estado corporativo na África Central de propriedade privada do Rei Leopoldo II da Bélgica, fundado e reconhecido pela Conferência de Berlim de 1885.   Nos 23 anos (1885-1908) em que Leopoldo II governou o Congo, ele massacrou 10 milhões de africanos cortando-lhes as mãos e os órgãos genitais, açoitando-os até a morte, levando-os a trabalhos forçados, mantendo crianças sequestradas e ateando fogo em aldeias. A parte irônica dessa história é que Leopoldo II cometeu essas atrocidades sem nem mesmo pisar no Congo. Mas sob a sua  administração.

Lady Alice Seeley Harris foi uma missionária batista,

fotógrafa e ativista dos direitos humanos britânica.

Seu relato por escrito sobre as atrocidades está no livro” Don’t Call Me Lady: The Journey of Lady Alice Seeley Harris”  de Judy Pollard Smith.   Esta biografia conta a história real de uma das mulheres mais esquecidas da história, uma inglesa chamada Alice Seeley Harris, que também foi chamada de Mãe dos Direitos Humanos. Ela esteve escondida pela sombra de seu marido, John Hobbis Harris, desde que começou sua jornada pela África perto do final da era vitoriana, mas agora sua história é trazida à luz nesse livro.

Armada com sua Bíblia, zelo e uma câmera, Harris chegou à fumegante selva africana do Congo e documentou as piores atrocidades conhecidas pela humanidade. Ela capturou evidências suficientes para derrubar o rei belga Leopold II, que governava a colônia chamada de Estado Livre do Congo.    Nesta biografia, Smith usa conversas imaginadas com base em pesquisas aprofundadas para contar a história de seu trabalho com Harris. Ela também fornece perguntas que permitem que seu livro seja usado em aulas ou grupos de discussão.

O mundo deu crédito aos homens, mas Smith fornece evidências de que foi a jovem missionária e fotógrafa inglesa quem realmente mudou a história, por conta de sua bravura.

Nsala olhando para as mãos e pés decepados de sua filha de cinco anos que foi morta e, supostamente, canibalizada pelos membros da milícia anglo-belga da India Rubber Company.

Mas, voltando ao assunto, o homem da foto acima não tinha feito sua cota de borracha para o dia, então os supervisores nomeados belgas cortaram a mão e o pé de sua filha. Seu nome era Boali e tinha cinco anos de idade. Então eles a mataram, mas não terminaram.   Então eles mataram sua esposa também. E como isso não parecia suficientemente cruel, forte o suficiente para justificar, eles canibalizaram Boali e sua mãe. E eles apresentaram Nsala com as sobras do corpo outrora vivo de sua filha querida a quem ele tanto amava.

A ABIR Congo Company (fundada como a Companhia de Borracha Anglo-Belga da Índia e mais tarde conhecida como a Compagnie du Congo Belge) foi a empresa designada para explorar a borracha natural no Estado Livre do Congo. A ABIR desfrutou de um grande boom no final da década de 1890.

Foto de homens segurando as mãos separadas das vítimas.

Um padre católico cita um homem, Tswambe, falando do odiado funcionário do Estado Léon Fiévez:
De todos os corpos mortos no campo, você tinha que cortar as mãos. Ele queria ver o número de mãos cortadas por cada soldado, que tinha que trazê-las em cestas … Uma aldeia que se recusasse a fornecer borracha seria completamente varrida.

Além disso, sob o reinado de Leopoldo II, a vida selvagem do Congo era apenas um jogo de morte para qualquer caçador que pudesse reservar passagem e pagar por uma licença de caça.

O rei Leopoldo II também foi retratado em “Coração das Trevas” por Joseph Conrad.

O rei faleceu em 1909 aos 74 anos.

 

 

Anúncios

Deixe uma resposta