O País do Amanhã

É o eterno amanhã.   Parece piada, mas tudo fica sempre para depois.

Depois da tragédia envolvendo o Flamengo, onde 10 adolescentes morreram, os demais estados tem feito uma “chamada geral” nas condições de alojamento dos times da capital.  É o efeito “comoção”.

O mesmo aconteceu em Santa Maria, Rio Grande do Sul, depois do incêndio da Boate Kiss, que deixou mais de duzentos mortos.

Esse acontecimentos frequentes levam os políticos e a população a exigirem melhores condições para isso ou aquilo, bem ao sabor da comoção do momento.

Passados cinco anos da Kiss, o que mudou na legislação para melhorar as condições das baladas no país ?  E depois de três anos da barragem de Mariana ?

Basta esperar que a população e os governantes esqueçam e tudo volta ao normal.  Até a próxima tragédia.

Acidentes acontecem e isso é inevitável.  Em 2003, um incêndio numa boate de Nova Iorque deixou vários mortos.  E os laudos não encontraram nada de errado na casa!   Mesmo assim, proprietários e também o patrocinador da festa foram responsabilizados pelo que eles entenderam como “crime”.  E muita coisa mudou depois disso por lá.

Por aqui, a corrupção não permite que a fiscalização interdite um local por considerá-lo inseguro.   O Flamengo diz que o incêndio foi uma fatalidade e nada tem a ver com a fiscalização ou as multas recebidas nos últimos meses.   A verdade é que ninguém conseguiria fechar o Centro de Treinamentos do Flamengo.   Como não consegue fechar muitos estabelecimentos que deixam seus frequentadores em perigo.   Mas consegue fechar o boteco da esquina por qualquer razão.

Em Campos do Jordão havia uma balada muito frequentada pelos jovens e que era totalmente irregular.   Mas ninguém se atrevia a fazer alguma coisa porque ela pertencia (ou ainda pertence) a um secretário municipal.

Não havia perigo no CT do Flamengo, nem na barragem de Brumadinho, segundo os responsáveis.  Mas acabou em tragédia.

Mas a comoção vai passar e a vida vai continuar até a próxima tragédia.

É tão certo como o Sol vai nascer amanhã.

Deixe uma resposta