Khrushchev Depois de Renunciar da União Soviética

Política

Em discurso de cinco horas, feito a portas fechadas para os delegados do 20º Congresso do Partido Comunista da União Soviética (PCUS), em fevereiro de 1956, o secretário-geral Nikita Khrushchev responsabiliza o poderoso líder Josef Stálin, que governou o país de 1922 até morrer, em 1953, de ter praticado uma política sistemática de tortura e execução de seus opositores no partido. Os que conseguiam escapar dos fuzilamentos, conforme a denúncia, eram condenados a trabalhos forçados degradantes. Segundo Khrushchev, aqueles “comunistas honestos e inocentes” foram julgados sumariamente com base em confissões obtidas sob tortura, prática generalizada e até estimulada por Stálin.

Khrushchev, que fez parte da equipe de Stálin durante décadas, também relata a “cruel deportação de povos inteiros” do território soviético e condena a “presunçosa imprudência” de Stálin durante a Segunda Guerra, que teria redundado na invasão da Rússia por tropas da Alemanha nazista. Criticou, ainda, o “culto à personalidade”, marca do período stalinista.

O chamado “discurso secreto” de Khrushchev, que pouco tempo depois seria divulgado pela imprensa ocidental, daria início à chamada “desestalinização” da União Soviética — que resultaria na libertação de 81 mil presos de campos de trabalhos forçados e de outros milhares de presos políticos e no resgate da memória dos líderes e militantes executados.  Mas essa acusação faria sua posição no Partido ficar cada vez mais difícil, o que lhe rendeu a renúncia em outubro de 1964.    Após a renúncia, o ex-chefe da URSS viveu em uma casa de campo perto de Moscou.

A casa e o cachorro favorito de Khrushchev chamado Arbat.

Melhores amigos de Khrushchev após a renúncia eram seu cão pastor alemão Arbat e o corvo Kava, que o ex-chefe da URSS pegou quando este caiu do ninho, alimentou-o e curou-o. A ave tornou-se completamente domesticada e sempre o seguiu.

Ano de 1966. Khrushchev, nas margens de Istra, observando seu neto Nikita, que está andando de barco.

O idoso Khrushchev teve um novo hobby – o trabalho agrícola. Seu guarda Mikhail Titkov lembrou: Nós mesmos fizemos uma estufa para pepinos e tomates, ele disse: “Mikhail, aqui, assim que os primeiros pepinos aparecerem, eu darei o primeiro pepino para você.” Bem, numa certa manhã ele acordou cedo, foi ver o que tinha na estufa, então eu olhei, ele vinha até mim: “Mikhail, eu prometi a você, aqui está ele, o primeiro pepino do seu trabalho.”

Nikita Sergeyevih Khrushchov  (o neto) começou a organizar estufas. Ele próprio dobrou canos de água, fez uma estrutura de estufas, realizou o abastecimento de água, arrastou e desenroscou canos, instalou guindastes…

Tomates e pepinos cresciam em estufas e endro, rabanete, batata, abóbora, girassóis e milho cresciam ao ar livre.

As atividades agrícolas de Khrushchev continuaram até a primavera de 1971. Ele já estava muito doente e em abril, comemorando modestamente seu 77º aniversário, caminhou pelo local. Ele enfiou a bengala na cama e disse: “O médico me proibiu trabalhar, então este ano não vamos fazer uma horta.”

Ele morreu seis meses depois.

Fonte dos dados e imagens: Publicações diversas /Internet

Anúncios

Deixe uma resposta