A Maior Assassina da História

Cotidiano

Conhecida como “A Condessa de Sangue” e “Condessa Drácula”, acredita-se que Elizabeth Báthory tenha sido a assassina em série mais proeminente da história, com mais de 650 assassinatos diretamente atribuídos ao seu nome.

Báthory veio de uma família nobre húngara e muito influente. Ela era conhecida como uma mulher inteligente e acadêmica e, a princípio, era bastante popular entre seus súditos. Em 1575, aos 15 anos, casou-se com Ferenc Nádasdy, filho de um barão. Mais de 4.500 convidados compareceram ao casamento em Varannó. Seu marido passava grande parte do tempo estudando em Viena, deixando Elizabeth sozinha. Ela morou no castelo Čachtice, na atual Eslováquia.

 

Anos depois, chegando à meia-idade, Elizabeth começou a experimentar explosões e ataques de raiva. Ela se voltou contra suas jovens criadas. Diz a lenda que ela começou seu banho de sangue quando deu um soco em uma serva desajeitada que estava escovando os cabelos e puxando um pouco demais. O sangue escorria do nariz da garota e Elizabeth teve a ideia de que poderia rejuvenescer com o sangue de virgens.

E assim começou o terror que durou mais de vinte anos. Gradualmente, centenas de meninas que trabalhavam no castelo de Elizabeth desapareceram, para nunca mais serem vistas. A vila começou a suspeitar, mas devido ao status de Elizabeth, havia pouco que eles pudessem fazer. Finalmente, a suspeita sobre os desaparecimentos chegou ao rei húngaro, que exigiu uma investigação. Os homens do rei chegaram ao castelo da Transilvânia e exigiram ver as câmaras subterrâneas privadas de Elizabeth. O que foi desenterrado foi arrepiante.

Sob seu castelo, Elizabeth estava operando uma enorme e elaborada câmara de tortura. Com a ajuda de alguns colaboradores-chave, dois dos quais supostamente eram amantes de Elizabeth, ela aprisionaria suas servas e executaria procedimentos horríveis para extrair seu sangue.

As vítimas iniciais de Báthory foram as filhas adolescentes de camponeses locais, muitas das quais foram atraídas para Csejte por ofertas de trabalho bem remunerado como empregadas domésticas no castelo. Mais tarde, diz-se que ela começou a matar filhas da pequena nobreza, que foram enviadas ao seus aposentos por seus pais para aprender etiqueta. Dizem que também houve sequestros. As atrocidades descritas consistentemente incluíam severas surras, queimação ou mutilação das mãos, morder a carne dos rostos, braços e outras partes do corpo, congelamento ou morte de fome. O uso de agulhas também foi mencionado pelos colaboradores em juízo. A acusação mais constante foi a de que Elizabeth se banharia no sangue de jovens virgens de sua corte para manter sua aparência jovem, e essa alegação é a causa de seu apelido.

Alguns relatos também sugerem que Elizabeth gostava de jogar jogos que terminavam com a morte de sua criada, como testar para ver quanto tempo uma criada nua poderia permanecer viva ao entrar em lagos no inverno.

Diz-se às vezes que Elizabeth foi pega em flagrante pelos inspetores visitantes, mas há poucas evidências para apoiar isso.

Não é preciso nem dizer que o rei não ficou impressionado. Devido ao seu status, Elizabeth não enfrentaria punições severas, mas foi imediatamente colocada em prisão domiciliar. Em seu julgamento, pouco depois, mais de 300 testemunhas falaram das atrocidades que haviam testemunhado, com algumas até afirmando ter testemunhado seu banho de sangue. Numerosos restos esqueléticos descobertos serviram como evidência para o caso. Três de seus cúmplices foram condenados à morte e Báthory foi presa no castelo Csejte e colocada sob confinamento solitário. Ela morreria lá em 1614.

Elizabeth Báthory é uma das mais famosas húngaras da história e numerosos livros, programas de TV e filmes foram feitos sobre sua vida distorcida. Por sua pura crueldade e tendências vampíricas, ela não foi apenas ma assassina, mas também a pessoa mais cruel da história.

Anúncios

Deixe uma resposta